Como Guedes se equilibra no cargo ao manter a manobra fura-teto

Ministro da Economia já perdeu pelo menos 16 auxiliares diretos desde que assumiu a pasta e está com credibilidade abalada, segundo economistas ouvidos pelo ‘Nexo’

    O ministro da Economia Paulo Guedes foi a público na sexta-feira (22) para avisar que pretende permanecer no cargo. Em meio a uma debandada da equipe econômica, com quatro integrantes que pediram para sair após o governo atuar para driblar o teto de gastos, auxiliares que se somam a pelo menos outros 12 que deixaram a pasta desde que Guedes assumiu o cargo, o ministro declarou: “em nenhum momento eu pedi demissão”.

    A fala foi feita ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou que ele e o titular da Economia “se entendem muito bem”. Guedes, por sua vez, confirmou que o governo pretende modificar a regra fiscal sob o argumento de abrir espaço no Orçamento para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400 em 2022. O programa é a aposta do presidente na tentativa de reeleição.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.