As falhas da ideia que opõe dever fiscal e urgência social

Em pronunciamento, Paulo Guedes diz que vai descumprir teto de gastos para dar auxílio à população mais vulnerável. Economistas ouvidos pelo ‘Nexo’ dizem que poderia ser diferente

    O governo articulou na quinta-feira (21) uma manobra para furar o teto de gastos em 2022. Se aprovada pelo Congresso, a mudança no cálculo do limite de despesas da União abrirá espaço no Orçamento para bancar o Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família e que é aposta do presidente Jair Bolsonaro para a tentativa de reeleição.

    Em pronunciamento à imprensa na sexta-feira (22), o ministro da Economia, Paulo Guedes, contrapôs o cumprimento do teto à implementação do benefício social. Guedes justificou a manobra no teto, dizendo que, sem ela, não seria possível atender às milhões de pessoas que estão em situação de vulnerabilidade no Brasil.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.