Por que mudar o ICMS alivia só por ora a alta dos combustíveis

Projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados deve reduzir preços em 2022, quando país terá eleições nacionais, com posterior aumento no ano seguinte. Texto segue agora para análise do Senado

    A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (13) o projeto de lei que altera as regras para recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de combustíveis. O texto passou com amplo apoio, pelo placar de 392 a 71, e agora segue para análise do Senado.

    A aprovação do texto ocorre em um momento em que os combustíveis são um dos principais responsáveis pela inflação alta, junto com a conta de luz e os alimentos. O presidente Jair Bolsonaro vem culpando o ICMS, imposto estadual, pela escalada dos preços da gasolina, do etanol e do diesel – mas economistas avaliam que isso não é correto.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.