80 tiros no Rio: das penas dos militares ao problema estrutural

Condenação de membros das Forças Armadas envolvidos no fuzilamento de dois civis em 2019 passa sensação de Justiça feita, mas oculta questões de formação, segundo especialista

    A Justiça Militar condenou na madrugada de quinta-feira (14) oito militares do Exército pela morte do músico Evaldo Rosa e do catador de latinhas Luciano Macedo, com penas que vão de 28 a 31 anos de prisão. Rosa e Macedo foram alvejados numa operação militar ocorrida em 2019, no Rio de Janeiro.

    Segundo a acusação, 257 tiros foram disparados. Ao menos 82 capsulas foram encontradas onde estavam os militares, razão pela qual o crime ficou conhecido como o “caso dos 80 tiros”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.