Quais são os números da pobreza menstrual no Brasil 

Bolsonaro vetou trechos de projeto que previam distribuição gratuita de absorventes. Problema afeta saúde pública e acesso à educação no país

    Vetada por Bolsonaro na quinta-feira (7), a distribuição gratuita de absorventes para mulheres em situação de vulnerabilidade, prevista em projeto de lei aprovado em setembro no Congresso, poderia aliviar em parte o problema da precariedade menstrual no país.

    Com impactos principalmente sobre os mais pobres, a falta de acesso a produtos ou à higiene menstrual tem consequências graves para a saúde pública e afeta também áreas como a educação. Os vetos de Bolsonaro à distribuição de absorventes tiveram repercussão negativa.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.