O que está em jogo nos atos de 2 de outubro contra Bolsonaro

Mobilização ocorre a um ano da eleição presidencial de 2022, num momento em que o impeachment está fora do horizonte político

    A exatamente um ano das eleições de outubro de 2022, a oposição volta às ruas neste sábado (2) para pedir a saída do presidente Jair Bolsonaro. Os protestos são comandados por organizações de esquerda, com adesões de representantes mais alinhados à direita.

    As manifestações ocorrem num momento de recuo de Bolsonaro: após fazer seu maior ataque ao Supremo em 7 de setembro, o presidente divulgou uma carta em que disse respeitar as instituições, num sinal às elites econômica e política para reduzir a pressão pelo impeachment.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.