Como Alcolumbre faz da CCJ sua trincheira diante do Planalto

Presidente da comissão demora mais de dois meses para colocar em votação indicação de André Mendonça para o Supremo. Depois de deixar o comando do Senado, ele reage ‘para se manter no jogo’, disseram analistas ao ‘Nexo’

    Presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) segura há quase 80 dias a avaliação do nome de André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A espera é recorde.

    A atitude de Alcolumbre, que a princípio vai contra o Palácio do Planalto, contrasta com a proximidade que manteve com Bolsonaro nos anos de 2019 e 2020, quando era presidente do Senado e portanto do Legislativo como um todo. As motivações do parlamentar ao segurar a indicação de Mendonça ainda não estão totalmente claras.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.