Por que o Novo Código Eleitoral desperta tanta crítica

Proposta tramita de forma acelerada na Câmara para poder valer em 2022. O ‘Nexo’ ouviu analistas sobre os impactos da mudança na transparência das contas dos partidos e na representatividade de negros e mulheres na política, entre outros pontos

    A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (9) o texto-base do projeto que institui um Novo Código Eleitoral no Brasil. Foram 378 votos a favor, 80 contra e duas abstenções. Com cerca de 900 artigos, o projeto contém medidas que são consideradas um retrocesso na fiscalização de contas partidárias e de campanha, segundo cientistas políticos.

    Patrocinado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o texto avançou às pressas, num estilo que já foi adotado pelo deputado em outras frentes. A relatora do texto é a deputada Margarete Coelho (PP-PI), aliada de Lira e, assim como ele, integrante do centrão, grupo de parlamentares com histórico de fisiologismo que costuma apoiar governos em troca de acesso privilegiado ao Orçamento público.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.