De Dilma a Bolsonaro: os atos liderados pela direita opositora

MBL e Vem Pra Rua, grupos que ganharam projeção no impeachment de 2016, comandam manifestações contra o atual presidente em meio a ceticismo de parte da esquerda

    Anos depois de capitanearem manifestações pela deposição da petista Dilma Rousseff em 2016, os grupos de direita MBL (Movimento Brasil Livre) e VPR (Vem Pra Rua) agora organizam protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Há atos marcados em pelo menos 17 capitais neste domingo (12).

    O protesto ocorre depois do mais duro ataque do presidente contra o Supremo, nas manifestações governistas de 7 de setembro, e seu posterior recuo. Ocorre também depois de uma série de mobilizações contra o governo lideradas pela esquerda às quais grupos de direita resistiram a aderir, sob argumentos diversos – desde os riscos sanitários até a percepção de que os atos eram a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.