Por que o ICMS não é responsável pela alta dos combustíveis

O ‘Nexo’ ouviu economistas que explicam como Bolsonaro está errado ao culpar imposto estadual pela elevação de preços durante seu governo

    A gasolina em 2021 é a mais cara no Brasil em 17 anos. É o que mostram dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), que monitora semanalmente os preços desde maio de 2004. Em média, o litro é vendido a pouco mais de R$ 6, mas há lugares em que o preço chega a mais de R$ 7.

    Os combustíveis têm sido um dos motores da inflação alta no Brasil em 2021, junto com os alimentos e a energia elétrica. Pressionado pela alta de preços, Jair Bolsonaro opta por se esquivar da responsabilidade. No caso dos combustíveis, o presidente culpa os governadores pelos preços inflados – em especial o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), principal tributo estadual.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.