Como fica a base bolsonarista após o recuo do presidente

O ‘Nexo’ conversou com pesquisadores das áreas de história, antropologia e psicologia sobre a guinada diante do Supremo e a abertura de diálogo com o ministro Alexandre de Moraes

    Nos dias que sucederam as manifestações governistas de 7 de setembro, Jair Bolsonaro atuou para encerrar bloqueios de caminhoneiros em estradas e demonstrou respeito ao Supremo. Seria algo completamente normal para um presidente, não fosse o fato de Bolsonaro recorrentemente insuflar apoiadores radicalizados e ameaçar a mais alta corte do país.

    A nova versão de Bolsonaro, que foi da promessa de desobediência ao Judiciário na terça-feira (7) a um quase pedido de desculpas na quinta-feira (9), com uma “declaração à nação” na qual disse “não querer agredir” outros Poderes da República, frustrou apoiadores. Nas redes sociais, eles lamentaram a atitude de um presidente que apontava até então para uma ruptura institucional.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.