Como a CPI da Covid projeta politicamente seus integrantes

Senadores reforçam projetos de reeleição, miram governos estaduais e até a Presidência. Na reta final dos trabalhos, a atuação na comissão pode render dividendos eleitorais para 2022

    Alessandro Vieira, do Cidadania, lançou sua pré-candidatura à Presidência no fim de agosto. O nome de Simone Tebet aparece como opção do MDB para o Planalto. Já Tasso Jereissati se apresenta para as prévias do PSDB a fim de suceder Jair Bolsonaro.

    Mesmo que as intenções não se confirmem - e neste momento é pouco provável que todos os três estejam na corrida pelo comando do país em 2022 - o fato de figurarem como alternativas mostra o potencial de projeção que a CPI da Covid vem dando aos senadores.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.