O papel dos bancos públicos no adiamento do manifesto da Fiesp

Caixa e Banco do Brasil ameaçaram deixar Febraban após associação aderir a documento de entidades pedindo pacificação institucional. Ao ‘Nexo’, especialistas contestam grau de alinhamento a Bolsonaro

    A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil ameaçaram no sábado (28) deixar a Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O movimento, que foi revelado primeiro pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, ocorreu após a entidade de bancos aceitar assinar um manifesto da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) em defesa da harmonia entre os Poderes no Brasil.

    Diretores da Caixa e do Banco do Brasil entenderam que o manifesto – cuja publicação foi adiada pela Fiesp após intervenção de Arthur Lira (PP), presidente da Câmara dos Deputados – representa um posicionamento político contra o governo de Jair Bolsonaro. O rompimento com a Febraban foi avalizado por Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.