Quando Augusto Aras deixou de agir diante de Bolsonaro

Procurador-geral da República é reconduzido para um segundo mandato mesmo diante de questionamentos de parlamentares e colegas de Ministério Público Federal sobre parcialidade

    Responsável por defender direitos da sociedade e fiscalizar a cúpula do poder em Brasília, incluindo o presidente, o procurador-geral da República, Augusto Aras, é alvo de críticas desde que foi escolhido por Jair Bolsonaro para o cargo, em 2019, fora da tradicional lista de sugestões do Ministério Público Federal. No momento em que é reconduzido ao cargo, após aprovação no Senado nesta terça-feira (24), Aras vê se multiplicarem acusações de parcialidade e omissão diante de potenciais irregularidades cometidas pelo governo.

    O placar a favor de Aras no Senado foi elástico tanto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), com 21 votos favoráveis diante de 6 contrários, quanto no plenário, onde o nome indicado por Bolsonaro obteve 55 votos favoráveis e 10 contrários. Houve uma abstenção. O procurador-geral nega estar deixando de cumprir seu papel. Ele diz não aceitar “fazer política” no posto que ocupa.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.