Votações a jato: a condução da Câmara por Arthur Lira

Em seis meses no cargo, deputado acelerou a tramitação de propostas controversas e explorou as regras do trabalho no Legislativo. O ‘Nexo’ ouviu cientistas políticos sobre a gestão do alagoano à frente da Casa

    Passar o trator”. A expressão é usada para descrever quem conduz trabalhos legislativos sem respeitar a oposição e sem negociar de forma ampla com os líderes partidários. É assim que analistas políticos veem a gestão do deputado Arthur Lira (PP-AL) como presidente da Câmara.

    Desde o fim do recesso de julho, Lira já atropelou grandes partidos ao levar a discussão do voto impresso ao plenário, mesmo após a rejeição de uma comissão especial, e também acelerou a tramitação da reforma eleitoral, surpreendendo colegas. Nos seis meses de cargo, limitou a ação de desafetos, pautou uma série de medidas de flexibilização ambiental, fez avançar a agenda econômica do governo, patrocinou projetos em benefício próprio e ignorou pedidos de impeachment que se acumulam em sua gaveta.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.