Como a inflação alta aparece nos produtos do dia a dia

Do arroz ao botijão de gás, da carne à conta de luz: o ‘Nexo’ reúne alguns dos bens que mais subiram nos últimos 12 meses e explica os motivos por trás dos aumentos

    A inflação no Brasil continuou acelerando no mês de julho de 2021, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na terça-feira (10). O IPCA – o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, principal medidor da inflação no Brasil – subiu 0,96% no mês, o maior avanço para o mês de julho desde 2002.

    A inflação acumulada em doze meses também cresceu: os preços subiram 8,99% de agosto de 2020 a julho de 2021. O número está bem acima do teto da meta do Banco Central. O objetivo da autoridade monetária é manter a variação de preços entre 2,25% e 5,25% até o final do ano.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.