Como a Alemanha virou uma arapuca para criminosos de guerra

País europeu atrai leva de imigrantes, entre os quais cidadãos acusados de crimes contra a humanidade em seus países de origem

    O sistema judicial alemão converteu-se numa arapuca para cidadãos estrangeiros que cometem crimes contra a humanidade. Até esta quarta-feira (28) havia pelo menos dez casos sendo investigados por procuradores locais envolvendo apenas crimes cometidos na Síria.

    A ideia de arapuca vem do fato de o país ter se tornado, especialmente a partir de 2015, um destino atrativo para estrangeiros que se candidatam a receber refúgio na Europa. No meio deles, entram cidadãos envolvidos em crimes contra a humanidade em seus países de origem, que são descobertos por promotores públicos dispostos a levá-los a julgamento.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.