‘Governo faz água e Bolsonaro tenta unir a base que lhe resta’

Para cientista político Carlos Melo, diante de desemprego, inflação, avanço da CPI da Covid e impopularidade, presidente elege TSE como inimigo para agitar a extrema direita enquanto se blinda com centrão

    Após dois anos e meio, o governo Jair Bolsonaro está “fazendo água” diante dos altos índices de desemprego e inflação, do avanço da CPI da Covid no Senado e da baixa popularidade. A avaliação é do cientista político Carlos Melo, professor do Insper, para quem o que resta ao presidente é unir sua base de extrema direita.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.