Como os EUA tentam encerrar a guerra ao terror iniciada em 2001

Depois de anunciar saída do Afeganistão, americanos se preparam para reduzir presença no Iraque, em tentativa de fechar ciclo marcado por intervenções no Oriente Médio

    O presidente dos EUA, Joe Biden, recebeu nesta segunda-feira (26) no Salão Oval da Casa Branca, o primeiro-ministro do Iraque, Mustafa Al-Kadhimi. A ocasião solene marcou o anúncio da conclusão, até o fim de 2021, de todas as operações militares de combate dos EUA no Iraque, 18 anos depois da invasão ocorrida em 2003, na esteira dos revides do atentado de 11 de setembro de 2001.

    Antes do anúncio sobre o Iraque, os americanos tinham divulgado o encerramento de sua presença em outro contexto estratégico dessa fase histórica da chamada “guerra ao terror”: o Afeganistão. Nesse caso, o anúncio foi feito por Donald Trump em 2019 e a retirada começou a tomar a forma atual com Joe Biden.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.