De Burnquist a Rayssa: a popularidade do skate no Brasil

Praticado no país desde a década de 1960, esporte chegou a ser proibido nas ruas da maior cidade brasileira no fim dos anos 1980. Com o tempo, passou a ganhar cada vez mais adeptos

    Temas

    Rayssa Leal se tornou a medalhista olímpica brasileira mais jovem da história ao conquistar a prata no skate street em Tóquio nesta segunda-feira (26). Aos 13 anos, ela superou 18 concorrentes para ficar atrás apenas da japonesa Momiji Nishiya, 13, que foi a vencedora da modalidade. O bronze ficou com a também japonesa Funa Nakayama, 18.

    Natural de Imperatriz, no Maranhão, e apelidada “fadinha do skate” por um vídeo seu com manobras que viralizou quando ela tinha apenas 7 anos, Rayssa já era vista como favorita à medalha. A jovem faz parte de uma tradição mais ampla do skate no Brasil, que o Nexo relembra neste texto.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.