O aumento de chacinas policiais no Rio durante a pandemia

Grupo de pesquisadores diz que operações se tornaram menos frequentes após decisão do Supremo, mas incursões acabaram ficando mais letais

    O massacre do Jacarezinho, que deixou 28 mortos em maio de 2021 na favela carioca da zona norte, foi a operação policial mais letal da história da polícia do Rio de Janeiro, mas não foi um caso isolado, nem mesmo durante a pandemia de covid-19. O número de ações com envolvimento de agentes de segurança que resultaram em mortes múltiplas cresceu no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2020, segundo dados do Cesec (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania) aos quais o Nexo teve acesso.

    O centro de estudos define como chacina policial qualquer ação dos agentes de segurança - operação ou patrulhamento, por exemplo -, que acabe na morte de ao menos três pessoas. A alta da letalidade nessas incursões ocorre após a decisão do Supremo Tribunal Federal de junho de 2020, que restringiu ações em comunidades, a não ser em “hipóteses absolutamente excepcionais”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.