O que o fundo eleitoral recorde diz sobre o Congresso hoje 

Deputados e senadores aprovaram texto que triplica financiamento público destinado à campanha de 2022. Ao ‘Nexo’ professoras de ciência política e direito eleitoral falam sobre os efeitos da manobra

    Os partidos políticos devem contar em 2022 com quase R$ 6 bilhões para tocar suas campanhas eleitorais. Foi aprovado na quinta-feira (15) pelo Congresso o projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), que define as prioridades e metas de gastos do governo federal para 2022. Junto ao texto foi incluído um dispositivo que aumenta o Fundo Especial Eleitoral de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões.

    A verba pública é dividida entre os partidos e é atualmente o principal modo de financiamento das campanhas eleitorais. O montante é recorde desde as eleições de 2014, quando ainda se permitia financiamento via pessoa jurídica. Desde 2015, a ajuda privada é proibida por decisão do Supremo Tribunal Federal, que argumentou que as grandes doações empresariais desequilibram a disputa eleitoral.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.