Bônus sem ônus? A atitude militar ao se envolver na política

Forças Armadas rechaçam críticas à má gestão na Saúde e às suspeitas de corrupção, enquanto ampliam em níveis recordes sua própria participação na administração pública civil

    A forte reação do Ministério da Defesa e do comando das Forças Armadas a críticas feitas na quarta-feira (7) pelo presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), evidenciam uma nova tentativa dos militares de se eximir de responsabilidades na pandemia.

    Suspeitas de corrupção rondam o Ministério da Saúde, que foi comandado e ocupado em diversos cargos estratégicos por integrantes das Forças Armadas, da ativa e da reserva, nos momentos mais agudos da crise sanitária que já matou mais de 520 mil brasileiros.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.