O que caiu e o que ficou do inquérito dos atos antidemocráticos

Alexandre de Moraes arquiva busca por financiadores de manifestações pelo fechamento do Congresso e do Supremo e passa a mirar parlamentares bolsonaristas, incluindo os filhos do presidente

    Após pouco mais de 13 meses de investigação, Alexandre de Moraes arquivou na quinta-feira (1º) o inquérito dos atos antidemocráticos, atendendo parcialmente a um pedido da Procuradoria-Geral da República. O ministro do Supremo, porém, determinou que outras frentes de investigação correlatas sejam abertas.

    A decisão de Moraes muda na prática o foco da apuração: a busca por financiadores das manifestações em Brasília que pediam o fechamento do Congresso e do Supremo vai para a gaveta; a atuação de parlamentares, entre os quais os filhos do presidente Jair Bolsonaro, passa a ser foco central.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.