Por que o desemprego não cede, mesmo com a melhora do PIB

Taxa ficou em 14,7% entre fevereiro e abril, mantendo recorde. O ‘Nexo’ conversou com um economista para entender por que o dado não acompanha a retomada da atividade econômica em 2021

    A taxa de desemprego ficou em 14,7% entre fevereiro e abril de 2021, segundo dados divulgados na quarta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O número ficou estável em relação ao trimestre encerrado em março, e segue no patamar mais alto desde ao menos meados dos anos 1970.

    14,8 milhões

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.