Como a literatura coreana ganha espaço no Brasil

Número de publicações por editoras vem crescendo, na esteira de obras premiadas como ‘A vegetariana’, de Han Kang, e do incentivo a traduções para o português

    O primeiro semestre de 2021 contou com dois lançamentos de títulos sul-coreanos no Brasil. O primeiro é “Noite e dia desconhecidos”, da autora Bae Su-ah, que já tem outra obra traduzida no país, “Sukiyaki de domingo”, de 2014. O segundo é “Atos humanos”, de Han Kang, autora do premiado “A vegetariana”, cuja edição mais recente no país é de 2018.

    Os lançamentos são parte do interesse crescente em obras de autores da Coreia do Sul no Brasil e do incentivo do país asiático a traduções. Segundo um levantamento do pesquisador e tradutor de literatura infantil coreana Luis Carlos Girão, desde 2017 as editoras brasileiras publicaram mais de 25 títulos de autores coreanos. Entre 1985, data da primeira publicação coreana no Brasil, até 2015, foram apenas 15 lançamentos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.