Como uma apicultora viralizou e deflagrou uma briga no TikTok

Vídeos de remoção de abelhas repercutiram nas redes sociais, mas especialistas questionam método usado por americana

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A apicultora americana Erika Thompson viralizou na internet com vídeos de remoção de enxames e colméias. Na maioria das filmagens, Thompson não veste o tradicional macacão branco, traje de proteção usado na criação de abelhas. Ela segura punhados de insetos com as mãos nuas, sem medo de levar ferroadas.

A façanha impressionou muita gente nas redes sociais. O seu perfil no TikTok (@texasbeeworks) acumula mais de 6 milhões de seguidores e 80 milhões de curtidas, e os vídeos foram compartilhados em outras plataformas, como o Twitter. A apicultora já teve seus serviços contratados pelo cantor Jason Derulo, e apareceu no programa de auditório da apresentadora Ellen DeGeneres.

No entanto, outros profissionais que trabalham com a remoção de abelhas acreditam que Thompson pode estar dando um exemplo perigoso a seus seguidores. No TikTok, o perfil L.A. Honeybee Rescue levantou uma série de críticas ao método exibido nos vídeos.

Qual o perigo da técnica

A principal preocupação diz respeito à vestimenta. Além de não usar o equipamento de proteção, Thompson frequentemente usa roupas de cores escuras, que tendem a deixar as abelhas mais agressivas. Ela também deixa seus cabelos soltos, correndo o risco de que os insetos se enrosquem nos fios.

“É absolutamente desaconselhável qualquer manipulação com Apis mellifera [espécie de abelha dos vídeos], principalmente as subespécies africanizadas, sem os devidos EPIs, os equipamentos de proteção individual”, disse ao Nexo a pesquisadora Roberta Nocelli, professora associada do Centro de Ciências Agrárias da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos).

Segundo Nocelli, as subespécies de abelhas europeias são menos agressivas e permitem um manejo com menos proteção. “Mesmo assim, eu já visitei apiários e tenho vários parceiros de pesquisa na Europa, e eles costumam usar os EPIs”, diz a pesquisadora.

Pelos vídeos, é difícil determinar se as abelhas manipuladas por Erika Thompson são europeias ou não, mas existem subespécies africanizadas no estado do Texas, onde ela trabalha. Nocelli diz que a apicultora pode estar empregando táticas para acalmar os insetos, como o uso de um fumegador, que nem sempre aparecem nas filmagens.

A presidente da Associação de Apicultores do Texas, Ashley Ralph, disse à CNN que Thompson parece estar familiarizada com as abelhas e que a escolha de vestimenta é só dela. Entretanto, Ralph faz a ressalva de que é importante reconhecer o perigo desse trabalho, e que existe um risco em “encorajar práticas irresponsáveis”.

O essencial é que seguidores do perfil não tentem replicar a técnica. “Isso precisa ser feito por apicultores especializados ou com prática no manejo, mesmo usando EPI. Não é qualquer pessoa que pode fazer o manejo das abelhas assim”, disse Nocelli.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.