Corrupção e assédio: a saída turbulenta de presidentes da CBF

Rogério Caboclo é afastado por 30 dias pela Comissão de Ética da entidade, acusado de assédio sexual e moral. Antecessores foram banidos do futebol pela Fifa. Jogadores decidem abandonar ideia de boicote à Copa América

    Rogério Caboclo, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), foi afastado do cargo no domingo (6). A princípio, a decisão é válida por 30 dias, mas deve ser tornada permanente.

    A suspensão foi definida pela Comissão de Ética da entidade após denúncia de assédio sexual e moral apresentada por uma funcionária da CBF. Gravações que embasaram a acusação foram reveladas pelo site Globoesporte.com.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.