O projeto que vai testar e rastrear a covid no interior paulista

Iniciativa do Instituto Butantan usa aplicativo para mapear a doença e isolar casos de infecção nas cidades de Batatais e Taquaritinga

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Instituto Butantan, vinculado ao governo de São Paulo, vai realizar nas cidades de Batatais e Taquaritinga uma iniciativa de testagem da covid-19, aliada ao rastreamento de contatos e ao isolamento de pessoas diagnosticadas com a doença. Batizado de “isolamento inteligente”, o projeto usa um aplicativo de celular para monitorar casos confirmados de covid e propor estratégias de combate à doença.

    O projeto vai selecionar dois mil domicílios por mês nas cidades para testar moradores com RT-PCR — exame molecular que busca material genético do vírus nas secreções respiratórias —, e notificar os pacientes via aplicativo, a fim de rastrear a contaminação e isolar casos de diagnóstico positivo. Residentes próximos ao caso confirmado também serão notificados, com sigilo dos dados pessoais, em tempo real.

    Testar a população em massa e rastrear os contatos foi a principal recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) aos países no início da pandemia, em março de 2020, como forma de diminuir o contágio. Contudo, o Brasil não avançou na estratégia, e está atrás no ranking mundial de testagem do vírus, segundo a plataforma “Our World in Data”, vinculada à Universidade de Oxford.

    Dados do fim de maio mostram que a cada mil habitantes, o Brasil realiza cerca de 149 testes de covid, na contramão de países que controlaram a propagação do vírus, como Portugal, que realiza cerca 1,2 mil testes a cada grupo de mil pessoas.

    “Com o isolamento inteligente será possível manter as pessoas infectadas em suas residências e monitorar os contactantes em tempo real. Essa medida, aliada à vacinação, pode contribuir para que gradativamente os municípios possam manter suas atividades econômicas e, ao mesmo tempo, conter a transmissão do vírus”

    Dimas Covas

    diretor do Instituto Butantan

    As cidades escolhidas

    O programa foi implementado em Batatais em 29 de maio, e terá início em Taquaritinga na quinta-feira (3). Segundo o Butantan, as cidades foram escolhidas devido à alta de contaminações na região, por apresentarem estrutura adequada à instalação do projeto e testes disponíveis. O instituto avalia a possibilidade de ampliar para outros municípios a partir dos resultados obtidos.

    Batatais, município com quase 63 mil pessoas, chegou a decretar lockdown, tipo de isolamento social mais restritivo, entre 15 e 31 de maio, por causa da alta no número de casos confirmados e esgotamento de vagas nas UTIs (unidades de terapia intensiva) e enfermarias nos hospitais da cidade. Segundo boletim epidemiológico, publicado em 2 de junho, o município registra mais de 5,8 mil casos e 131 mortes por covid-19.

    Taquaritinga, cuja população está em torno de 57,4 mil pessoas, não chegou a impor restrições, embora desde o início da pandemia o município tenha registrado mais de 4,7 mil casos e 149 óbitos.

    Testagem e monitoramento

    Para realizar os testes, cada município será dividido em onze regiões, denominadas clusters. Em cada cluster, haverá sorteio de 32 residências para participar da testagem. As casas sorteadas receberão a visita de dois agentes de saúde para realizar o teste, que poderá ser feito em todos os moradores da residência, sem limite de idade.

    Os resultados dos testes serão enviados aos pacientes e aos residentes da região pelo aplicativo Tainá/Global Health Monitor, plataforma desenvolvida pelo Butantan em parceria com a startup brasileira Global Health Monitor para monitorar a testagem e os casos.

    Quando houver confirmação da doença, o paciente será orientado a permanecer isolado, bem como os demais residentes da região próxima ao diagnóstico, que serão aconselhados a evitar circulação.

    Mesmo os residentes que não forem sorteados serão incentivados pelo projeto a acompanhar as orientações do aplicativo, como realizar auto avaliação diária de sintomas relacionados à doença. Eles poderão realizar o teste em unidades de saúde caso haja suspeita de covid-19.

    O uso do aplicativo também fornecerá informações relacionadas à doença, como hábitos de prevenção e transporte, vacinação e distanciamento. Os moradores de cada cidade deverão se cadastrar no aplicativo para receber as notificações.

    Segundo o Butantan, as informações coletadas pelo projeto serão mantidas de maneira anônima e servirão para compor um banco de dados que pode auxiliar na criação de políticas públicas pela administração local.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.