A investida do procurador-geral contra um professor da USP

Criticado por não investigar o presidente, Aras pede que Comissão de Ética tome providências contra o autor das críticas

    Procurador-geral da República, Augusto Aras acionou a reitoria da USP (Universidade de São Paulo) para pedir “providências” da Comissão de Ética da instituição contra um professor, por críticas feitas contra sua atuação à frente do Ministério Público Federal.

    O alvo é o professor de direito constitucional Conrado Hübner Mendes, que no Twitter e na sua coluna do jornal Folha de S.Paulo criticou Aras por não investigar possíveis crimes do presidente Jair Bolsonaro e de seus ministros e aliados. “Augusto Aras integra o bando servil. Enquanto colegas de governo abrem inquéritos sigilosos e interpelam quem machuca imagem do chefe, Aras fica na retaguarda: omite-se no que importa”, escreveu Mendes em 26 de janeiro na Folha.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.