Entre massacres e motins: quem controla as polícias no Brasil?

Ao ‘Nexo’, especialistas em segurança pública falam sobre a fragilidade das instituições responsáveis por comandar e fiscalizar o trabalho das forças policiais no país

    Após a operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro que acabou na morte de ao menos 28 pessoas, moradores da comunidade do Jacarezinho, na capital, fizeram um protesto na sexta-feira (7) para denunciar o terror que, segundo as testemunhas, marcou a ação policial. Diante de cobranças sobre o episódio, inclusive internacionalmente, autoridades fluminenses e nacionais se concentraram em defender a operação policial mais letal da história do estado.

    Entre outras críticas, organizações da sociedade civil especializadas em segurança pública levantam a possibilidade de a operação ter violado uma ordem do Supremo Tribunal Federal que, diante da pandemia, quando as pessoas são orientadas a ficar em casa, proibiu a realização de operações policiais nas comunidades, liberando apenas casos absolutamente excepcionais.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.