As imagens que mostram como a internet se expandiu

Mapa demonstra o funcionamento de conexão da rede, além de indicar outras curiosidades por trás da web

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    “A internet é uma rede de redes”. A afirmação é do empresário norte-americano Barrett Lyon e pode resumir bem o projeto Opte, sistema de visualização da internet, criado por ele em 2003.

    Por meio de pontos e redes, o programa demonstra as conexões estabelecidas pela internet ao redor do mundo. A visualização demonstra que a web não parou de crescer e com o passar dos anos se tornou ainda mais conectada.

    O sistema de visualização foi criado por meio de uma fórmula criada por Lyon para mapear pontos fracos em sistemas digitais de empresas que o contratavam quando ele ainda estava na faculdade, na Universidade do Estado da Califórnia.

    Ao ser desafiado por amigos, ele provou que a fórmula era capaz de demonstrar o funcionamento da internet no mundo inteiro. “Eles acharam isso muito engraçado, então apostaram US$ 50 que eu não conseguiria”, disse Lyon à revista Wired.

    Ele utilizou um traceroute, comando de diagnóstico que indica diferentes caminhos percorridos por uma rede. O resultado foi uma imagem estática que ilustrava uma “explosão” de linhas e de pontos coloridos interligados.

    Mais tarde, devido a falhas que esse sistema pode apresentar, como hackeamento e falsificações, o empresário decidiu utilizar o chamado protocolo de roteamento BGP (sigla em inglês para Border Gateway Protocol). Apesar de também diagnosticar caminhos da internet, ele é mais eficiente, seguro e é utilizado por locais como o sistema de buscas do Google.

    A mudança também foi realizada para uma exposição do projeto que ocorreu em 2010 no MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York, EUA).

    Em 2021 o sistema voltou a ser atualizado e a nova versão é um vídeo em resolução 10K, que acrescenta imagens e dados de um projeto da Universidade do Oregon, que mapeia a internet desde 1997.

    Além da conexão e crescimento da rede, o projeto traz outras curiosidades. Demonstra o controle realizado na China, por exemplo, em que o governo monitora todos os dados que entram e saem; e a presença massiva dos militares americanos na rede, identificada pela cor marrom.

    A paralisação da internet no Irã, em novembro de 2019, também é indicada. Na ocasião, houve um blecaute de conexão entre os dias 16 e 23 daquele mês, como forma de retaliação aos protestos que reclamavam o aumento de combustível no país, e mais tarde, pediam o fim do regime dos aiatolás.

    Lyon acredita que o projeto pode ser utilizado para conscientizar os usuários sobre o uso da rede. “Espero que este mapa seja uma ferramenta de ensino sobre por que precisamos construir uma nova internet com novos princípios básicos incorporados a ela. A internet está entrelaçada na sociedade e, mudando a internet, é possível mudar o mundo”, escreve no site do projeto.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.