A valorização da Dogecoin, criptomoeda que veio de um meme

Valor de mercado da moeda digital ultrapassou o de empresas como Twitter e Ford. Alta repentina pode ter relação com tuítes do empresário Elon Musk

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A forte valorização de criptomoedas se tornou uma notícia recorrente desde o surgimento do bitcoin, em 2009, e se intensificou mesmo em meio à pandemia e à crise econômica decorrente da covid-19.

Uma das que mais chama atenção em maio de 2021 é a dogecoin, que começou como uma piada interna da comunidade geek sobre o mercado de moedas digitais.

A “moeda meme” atingiu um recorde histórico. Com a alta na sua cotação no início de maio, o valor de todas as dogecoins disponíveis ultrapassou o valor de mercado de empresas como a Ford (U$ 45,2 bilhões) e o Twitter (U$ 44,1 bilhões).

US$ 87 bilhões

é o valor de mercado atingido pela dogecoin em 5 de maio de 2021 (pouco mais de R$ 468 milhões na cotação do dólar de 5 de maio)

É possível comprar criptomoedas como a dogecoin na internet seguindo as cotações do dia, da mesma forma como se compra uma moeda estrangeira qualquer. Na terça-feira (4), a dogecoin era a quinta moeda digital mais valiosa. A primeira era o bitcoin.

A origem no meme

A ideia para criar a dogecoin partiu dos programadores Billy Markus e Jackson Palmer no fim de 2013. A moeda foi inspirada em um meme que surgiu nas redes sociais japonesas e traz um cachorro da raça shiba inu. O rosto expressivo do cão viralizou e passou a ser usada junto com frases em inglês como “o que você está fazendo” e “mantenha suas mãos longe de mim”.

Só nas primeiras 24 horas de lançamento, a brincadeira já anunciava resultados interessantes – sua cotação pulou de 0,00026 dólares para 0,00095, uma valorização de 300%.

Ainda assim, a moeda não era levada a sério, já que nasceu como uma piada sobre os investidores de criptomoedas. “Estou meio distante, mas é estranho que algo que criei em algumas horas agora faça parte da cultura da internet”, disse Markus. A alta repentina de 2021 é um mistério até mesmo para ele, que vendeu todas as suas dogecoins em 2015 e não faz mais parte do projeto, segundo afirmou à Bloomberg.

Os motivos para a valorização

Em fevereiro de 2021, a moeda voltou a chamar atenção. Comparada com abril de 2020, em que o valor era de US$ 0,002, sua cotação subiu mais de 14.000%, e atingiu 54 centavos de dólar.

A inclusão do dogecoin na plataforma de investimentos eToro, a pedido de clientes, segundo o serviço de moedas, é um dos possíveis motivos para a alta.

Os tuítes do empresário Elon Musk, fundador das empresas SpaceX e Tesla Motors, também são apontados como motivo para a valorização. A Tesla já fez investimentos em bitcoin, contribuindo para a valorização da moeda.

Em tom de brincadeira, Musk publicou uma montagem relacionando a exibição da moeda com uma cena do filme O rei leão, em que o personagem Simba é apresentado à selva. Musk já havia feito algumas publicações relacionando a palavra doge a um foguete.

No fim de abril, um outro tuíte do empresário, no qual se intitula “pai do doge” também pode ter contribuído para sua valorização. A postagem faz alusão a participação de Musk no programa de TV Saturday Night Live, prevista para 8 de maio. Investidores acreditam que ele pode falar da moeda na ocasião.

A especulação fez o dogecoin atingir cotação de US$ 0,69 em 5 de maio de 2021, o maior valor já registrado.

ESTAVA ERRADO: A versão original deste texto informava em um trecho que o valor de mercado do dogecoin alcançou US$ 87 milhões em 5 de maio. Na verdade, o valor de mercado da criptomoeda atingiu valor de US$ 87 bilhões. A informação foi corrigida às 16h55 de 11 de maio de 2021.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.