Racismo, bifobia, cancelamento: o que que marcou o BBB 21

Discussões que caracterizaram edição deste ano do programa atingem debates mais amplos do país

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Big Brother Brasil 21 chegou ao fim nesta terça-feira (4), após 100 dias de programa, com a vitória da maquiadora paraibana Juliette Freire.

    Maior sucesso do departamento de entretenimento da TV Globo, o reality show sempre trouxe ao público discussões sociais que apareciam no confinamento, mas que também diziam respeito a questões mais amplas do país.

    Em outros anos, esses debates se limitavam a um ou dois temas por ano, caso das suspeitas de racismo envolvendo a advogada Paula von Sperling; ou o machismo envolvendo os participantes homens do BBB 20.

    Contudo, em 2021, diversas pautas apareceram no programa, todas elas tendo o mesmo destaque entre o público e entre os próprios confinados. Abaixo, o Nexo relembra os temas que marcaram o BBB 21.

    Transfobia

    Na primeira semana do programa, às vésperas do Dia Nacional da Visibilidade Trans, celebrado em 29 de janeiro, uma ação de marketing de uma marca de maquiagem desencadeou uma discussão sobre transfobia.

    Na ocasião, um dos participantes, Caio Affiune, fazendeiro de Anápolis (GO), sugeriu que as mulheres da casa o maquiassem junto com outros “brothers”. Eles então desfilaram de forma caricata usando batons e sombras.

    A psicóloga Lumena Aleluia, outra integrante da casa, criticou a atitude dos homens héteros. Ela disse a Caio que, para ela, a brincadeira “tocou em um lugar muito violento” e é prejudicial para mulheres trans. “Eu sei que você não sabe, porque eu sei que você não tem amiga trans ou travesti, então você nunca ouviu o que eu ouvi”, disse.

    Segundo Lumena, pessoas trans que se identificam com o gênero feminino usam a maquiagem como forma de serem reconhecidas, numa atitude identitária e não de “entretenimento”, como fizeram os colegas homens.

    Bifobia

    Em 7 de fevereiro, na segunda semana do programa, a bifobia marcou o reality show.

    Naquele dia, o BBB promoveu a festa “Herança africana” e, nela, o ator Lucas Penteado beijou o economista Gilberto Nogueira – foi o primeiro beijo entre dois homens da história do programa

    Lucas vinha se desentendendo com os outros participantes há dias, e o beijo entre ele e Gilberto foi visto por alguns dos confinados como uma jogada do ator para ganhar a simpatia do público após uma série de brigas, que resultaram até mesmo em acusações de tortura psicológica cometidas contra ele.

    “Você está se apropriando de uma luta histórica para resolver um B.O. [problema] que é seu”, afirmou Lumena para Lucas naquela noite. “Não usei ninguém”, rebateu o ator.

    O episódio provocou uma discussão sobre bifobia fora da casa, já que Lucas teve sua sexualidade questionada e vista como um mero movimento de jogo para seguir no reality. O debate culminou na desistência de Lucas, que pediu à produção para sair do programa imediatamente.

    Homofobia

    A homofobia também teve espaço nas discussões do BBB 21. Durante o programa, o cantor sertanejo Rodolffo Matthaus, da dupla Israel & Rodolffo, fez comentários sobre o comportamento de Gilberto na casa.

    “Gilberto com aquela ‘boberaiada’ dele o tempo inteiro, forçando a barra, com gritinho, com dancinha, já está chato. Eu não consigo rir daquilo mais, acabou a graça para mim”, afirmou o músico no dia 9 de fevereiro.

    Durante o confinamento, Rodolffo, que é natural de Goiânia, se defendeu afirmando que o lugar de onde veio é extremamente machista e homofóbico, e que ele se via como uma pessoa “chucra” que precisava aprender com os colegas de reality acerca de questões de justiça social.

    Xenofobia

    A xenofobia ganhou espaço no BBB 21 por meio de conflitos entre a advogada Juliette Freire – favorita para vencer a edição – e a rapper Karol Conká, eliminada na quarta semana do reality com 99,1% dos votos.

    “Eu sou de Curitiba, tenho muita educação para falar com as pessoas. Me disseram que lá na terra dessa pessoa [Juliette] é normal falar assim”, disse Conká. “Eu tenho meu jeito brincalhão, mas reparem que eu não invado, não desrespeito, não falo nem pegando nas pessoas.”

    Logo, surgiram acusações nas redes de que Karol estava sendo xenofóbica com Juliette, natural da Paraíba. Em outros momentos, a rapper também fez piadas com o sotaque da advogada.

    Cultura do cancelamento

    Debates sobre a cultura do cancelamento apareceram no início do programa, quando Lucas Penteado e Lumena Aleluia ainda estavam no jogo.

    As falas de Lumena com o ator deram à psicóloga a alcunha de “canceladora” por parte do público, que via em suas atitudes uma tentativa de se colocar em um patamar moral superior ao dos outros colegas de confinamento.

    Além dos seus usos mais tradicionais – como deixar de assinar um serviço ou desmarcar um compromisso agendado –, o verbo “cancelar” tem sido empregado com frequência a pessoas. O ato de cancelar alguém costuma ser aplicado a figuras públicas que tenham feito ou dito algo considerado condenável, ofensivo ou preconceituoso.

    Masculinidade tóxica

    O BBB 21 contou com discussões sobre masculinidade tóxica, uma das manifestações do machismo.

    O conceito, que se popularizou nos últimos anos, tem a ver com as normas sociais que levam homens a não falar sobre seus sentimentos, não cuidar da própria saúde, não demonstrar fragilidade e a tender a resolver conflitos fazendo uso da violência, por exemplo.

    Os protagonistas dos debates foram o instrutor de crossfit Arthur Piccoli e a atriz Carla Diaz, que tiveram um relacionamento durante o confinamento.

    Durante o namoro dos dois, Arthur se mostrou relutante em demonstrar seus reais sentimentos pela atriz, o que trouxe uma série de conflitos entre eles.

    Nas redes, termos como “macho escroto” e “boy lixo” foram usados para rotular Arthur. Ainda na casa, quando questionado, ele se defendeu afirmando que falar sobre sentimentos era muito difícil para ele, reconhecendo seus erros.

    Racismo

    Discussões sobre racismo apareceram na primeira semana de abril.

    O debate teve início quando o cantor sertanejo Rodolffo Matthaus fez um comentário comparando a peruca da fantasia de homem das cavernas, usada em uma das prendas do programa, com o black power do professor de geografia João Luiz Pedrosa.

    Minutos depois do ocorrido, João Luiz, que na hora ficou calado, se reuniu com outra participante para falar sobre o assunto, expondo seu desconforto com o comentário do músico.

    O tema, contudo, ficou restrito a um pequeno círculo da casa até dois dias depois, quando o professor revelou sua reação à fala de Rodolffo para todos os outros participantes, desabafando durante a transmissão ao vivo do reality.

    “Naquela hora lá no quarto eu me calei. Mas você não sabe o quanto aquilo que você falou me machucou, me machucou muito. Não adianta vir com discurso que você não teve a intenção, que eu estou cansado de ouvir isso, não é só aqui dentro, é lá fora também”, disse João Luiz.

    “Se todo mundo observou como era a peruca do monstro, acredito eu que é um pouco semelhante. E não tem nada a ver isso”, afirmou Rodolffo.

    Nesse momento, a participante Camilla de Lucas, também negra, explicou ao músico que a comparação não deveria ser feita, já que a peruca da prenda estava mal cuidada, despenteada e cheia de sujeiras.

    A Polícia Civil do Rio de Janeiro chegou a abrir um procedimento para apurar se houve crime de preconceito racial na fala do cantor.

    No dia seguinte à noite, no horário da transmissão do programa na TV Globo, o apresentador Tiago Leifert entrou ao vivo na casa para conversar com todos os participantes do reality sobre o ocorrido. Muitas das falas foram direcionadas a Rodolffo.

    “Um cabelo black power, que é o cabelo do João, não é um penteado, é mais que um penteado, é um símbolo de resistência”, disse.

    “Eu não vejo maldade no que você fez e, ao mesmo tempo, legitimo a dor do João. Tem milhares de meninos e meninas pretos e pretas que sentem a dor que o João sentiu. O sem querer e o de propósito doem do mesmo jeito.”

    Rodolffo Matthaus, que estava no paredão, foi eliminado do programa com 50,4% dos votos do público.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.