Os sonhos e dificuldades da ‘economia dos criadores’

Cenário onde profissionais ou amadores tentam ganhar a vida postando conteúdo em plataformas como Twitch, TikTok e OnlyFans se aqueceu na pandemia, mas o trabalho é duro e as possibilidades, limitadas

    O termo “economia dos criadores” vem sendo usado nos últimos anos para se referir a um cenário onde indivíduos profissionais ou amadores produzem conteúdos na internet na esperança de serem patrocinados por marcas ou apreciadores.

    São dançarinos, atores, professores, jornalistas, gamers, humoristas, esportistas, músicos, influenciadores ou até pessoas comuns jogando conversa fora ou fazendo brincadeiras. Seus conteúdos incluem de vídeos a fotos, de newsletters a cursos. Nesse contexto, o termo “criador”, que tem sabor de marketagem do Vale do Silício, se torna um guarda-chuva amplo e de sentido esvaziado.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.