Mais que ameaças: o que há de autoritário no governo Bolsonaro

Professores do direito e da sociologia analisam ao ‘Nexo’ como práticas da gestão atual, e não só o discurso, minam princípios de uma democracia

    Pressionado pelas investigações da CPI da Covid, o presidente Jair Bolsonaro vem repetindo que pode acionar as Forças Armadas contra governos estaduais e municipais que, para enfrentar a pandemia, impuserem restrições à circulação de pessoas. A ameaça foi refeita pelo presidente, por exemplo, na segunda-feira (26).

    As menções ao uso de militares como forma de coagir outros atores políticos não são novas. No primeiro semestre de 2020, as investidas contra o Supremo Tribunal Federal ganharam ares de crise institucional. Com o tempo, porém, as ameaças, que agora miram a estrutura federativa, passaram a despertar cada vez menos reações.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.