A rave que vai testar os protocolos de reabertura na Inglaterra

Em meio ao avanço da vacinação contra o novo coronavírus no país europeu, balada de Liverpool tem permissão para testar protocolos

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A Inglaterra realizou duas baladas para milhares de pessoas com o intuito de avaliar o potencial de transmissão da covid-19 em eventos públicos. O clube Circus, em Liverpool, abrigou dois eventos consecutivos, na sexta (30) e no sábado (1).

As festas foram realizadas da maneira mais “normal” possível. Houve venda de bebidas alcoólicas e máscaras e distanciamento social não eram obrigatórios. As baladas aconteceram das 14h às 23h com a presença de pesquisadores, que estavam lá para estudar o comportamento do público.

A única exigência para participar da experiência era apresentar um teste negativo em um exame prévio de covid-19 do tipo fluxo lateral (os chamados testes rápidos) e a realização do teste PCR antes e depois do evento. Estes dois últimos exames ajudarão os pesquisadores em suas análises sobre o experimento.

Com DJs de renome na escalação, como Sven Vath, Jayda G, Blessed Madonna e Fatboy Slim, os eventos tiveram lotação máxima de 3.000 pessoas em cada noite, metade da capacidade do espaço.

As festas fazem parte de um “programa de pesquisa de eventos” do governo britânico. A iniciativa pretende medir o impacto de se reunir multidões em pelo menos dez programas, incluindo um show ao ar livre, uma sessão de cinema, um evento de negócios e a final da Copa da Inglaterra, no estádio de Wembley.

De acordo com o governo, os experimentos devem servir para embasar a quarta e última fase do plano de reabertura pós-pandemia da Inglaterra. Segundo o cronograma, se as condições forem satisfatórias, a partir de 21 de junho serão removidas todas as restrições de contato social, o que inclui a reabertura completa de baladas e shows em lugares fechados, categorias de eventos considerados com maior potencial de infecção.

Em 29 de abril, o Reino Unido registrou 15 mortes por covid-19. Os números de casos e óbitos vêm caindo desde janeiro de 2021, quando o país chegou a registrar 1.820 mortes em um dia. O programa de imunização britânico é um dos mais adiantados do mundo: 51,2% da população já recebeu a primeira dose da vacina e 21,8%, a segunda. Além disso, o país adota medidas rígidas de isolamento social e restrição de atividades desde 2020. De acordo com o primeiro-ministro, Boris Johnson, “é o lockdown e não a vacina que está por trás do declínio de casos no Reino Unido”.

O show-teste na Espanha

Em 27 de março, um grupo de organizadores de shows realizou em Barcelona um evento experimental para cerca de 5 mil pessoas. O uso de máscaras era obrigatório, mas o distanciamento não. Quatorze dias depois, apenas seis pessoas que foram ao show haviam testado positivo para a covid-19. De acordo com pesquisadores envolvidos com o teste, essa taxa é menor do que aquela observada na população em geral.

“Esperamos que a partir de agora, após esses excelentes resultados, o mundo da cultura seja ouvido como merece”, declarou a banda Love of Lesbian, que se apresentou na ocasião.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.