Por que cientistas criaram a tinta mais branca do mundo

Pigmento é feito a partir do sulfato de bário, substância usada pela indústria na fabricação de papel e cosméticos

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Uma tinta ultra branca pode ajudar a mitigar os efeitos do aquecimento global, segundo cientistas da Universidade de Purdue, em Indiana, nos Estados Unidos.

Em 15 de abril, pesquisadores da instituição publicaram um artigo que traz consigo uma prova de conceito para a fórmula de uma tinta capaz de refletir 98% da luz solar que nela incide, tornando as superfícies e seus arredores mais frios.

A ideia é a seguinte: com o alto índice de reflexão de luz, prédios e outras edificações pintados com a tinta ficariam mais frios e precisariam de menos sistemas de ar-condicionado, que emitem CO2 e que demandam grandes quantidades de energia elétrica – que, em muitos países, vêm da queima de combustíveis fósseis.

A tinta, considerada a mais branca do mundo, é feita a partir do sulfato de bário, substância usada pela indústria na fabricação de papel e cosméticos da cor branca.

“Nós vimos vários produtos comerciais, qualquer coisa que seja branca”, afirmou ao site da universidade Xiangyu Li, doutor em pesquisa de materiais e um dos membros do projeto. “Descobrimos que usando o sulfato de bário, conseguimos tornar algo muito, muito reflexivo, e consequentemente muito, muito branco.”

Em testes, os cientistas perceberam que as superfícies pintadas com a tinta ficavam 4,5° C mais frias do que a temperatura ambiente.

De acordo com Li, a tinta poderia ser ainda mais reflexiva e abaixar ainda mais a temperatura das superfícies, contudo, havia o risco de comprometer sua estrutura.

“Uma maior concentração de partículas é melhor para fazer algo branco, mas você não pode aumentar demais. Quanto maior a concentração, mais facilmente a tinta quebra ou descasca”, disse.

Por meio de uma estimativa, os autores do artigo descobriram que se cerca de 0,75% da superfície total do planeta fosse coberta com a tinta, a média da temperatura global diminuiria 1ºC.

Há, porém, um efeito adverso: quando a tinta reflete os raios ultravioleta do sol, elas voltam para a atmosfera e podem interagir com óxidos de nitrogênio, estimulando a formação de poluição.

O time da Universidade de Purdue realizará mais testes para tentar diminuir a possibilidade do efeito colateral. A tinta não está disponível comercialmente e ainda é considerada apenas um experimento.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.