Como ‘Paddington 2’ superou ‘Cidadão Kane’ no Rotten Tomatoes

Descoberta de crítica pouco elogiosa mexeu com a pontuação do clássico de Orson Welles no site de cinema

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Outrora conhecido como o melhor filme de todos os tempos, “Cidadão Kane”, de Orson Welles, perdeu sua pontuação de 100% de aprovação no site Rotten Tomatoes, que agrega críticas publicadas por veículos de imprensa.

    O Rotten Tomatoes funciona da seguinte forma: os editores do site vão atrás de críticas cinematográficas e televisivas de revistas, jornais e sites e as reúnem em um único lugar. Quanto mais críticas elogiosas a determinado filme, maior vai ser o percentual de aprovação dele no site.

    “Cidadão Kane” tinha 100% de aprovação até março. O cenário mudou com a descoberta de uma crítica pouco elogiosa, feita em 1941 pelo jornal Chicago Tribune. Com isso, o longa acabou ficando com uma pontuação de 99% de aprovação.

    “É um filme interessante. É diferente”, escreveu a crítica Mae Tinee. “Na verdade, é tão bizarro que pode se tornar peça de museu. Mas sacrifica tanto a simplicidade em prol da excentricidade que se torna algo pouco distinto e que não entretêm.

    Dentro do Rotten Tomatoes, apenas 63 filmes trazem 100% de aprovação. A maioria deles são obras consagradas no cânone do cinema, como “Os incompreendidos”, longa de 1959 dirigido por François Truffaut e parte da nouvelle vague, e “O encouraçado Potemkin” (1925), de Sergei Eisenstein, expoente do cinema russo.

    Contudo, um dos membros do “clube dos 100%” chamou a atenção por ter superado o filme de Orson Welles: “Paddington 2” (2018).

    “Paddington 2” é a continuação do filme de mesmo nome lançado em 2014. O longa é dirigido por Paul King e conta novas aventuras do ursinho falante que foi adotado por uma família inglesa.

    Comédia infantil, “Paddington 2” é elogiado pelos críticos do site pelo visual colorido, personagens cativantes e cenas cômicas inocentes.

    Apesar da perda de 1% na avaliação do Rotten Tomatoes, “Cidadão Kane” segue como um dos filmes mais bem avaliados da plataforma e um dos maiores clássicos do cinema.

    Orson Welles e ‘Cidadão Kane’

    Considerado um dos maiores cineastas de todos os tempos, Welles começou sua carreira nos anos 1930, no teatro. Em 1938, protagonizou a histórica transmissão de rádio da obra de ficção “Guerra dos mundos”, na qual, como locutor da CBS, convenceu milhões de ouvintes que uma invasão alienígena estava de fato acontecendo.

    “Cidadão Kane”, de 1941, foi seu primeiro longa-metragem. O filme conta a história da vida e da morte de Charles Foster Kane, um magnata da mídia que foi inspirado pela figura de William Randolph Hearst e Joseph Pulitzer, donos de grandes jornais do início do século 20.

    O longa tem início com a morte de Kane. A partir disso, o filme mostra como o empresário se tornou um dos homens mais ricos do mundo e conta a busca de um repórter para descobrir o significado da última palavra do magnata: “Rosebud”.

    Em 2020, a Netflix lançou “Mank”, filme dirigido por David Fincher (“A rede social”) e estrelado por Gary Oldman, que conta a história dos bastidores de “Cidadão Kane”, focando na figura do roteirista Herman J. Mankiewicz.

    O ursinho Paddington

    O ursinho Paddington não surgiu nos cinemas, mas sim, nos livros. Criado pelo autor inglês Michael Bond em 1958, Paddington fez sua estreia no livro “Um urso chamado Paddington”, que ganhou 29 continuações entre 1959 e 2018 – o último foi lançado um ano depois da morte do escritor, aos 91 anos.

    Ao longo das décadas, Paddington ganhou oito séries de TV em canais britânicos e um filme de animação, lançado em 1975.

    O desenvolvimento de um terceiro filme do urso teve início em fevereiro de 2021, mas “Paddington 3” ainda não tem previsão de estreia.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.