A cidade no Japão feita para a circulação de veículos sem motorista

Montadora começou a construir município próximo ao Monte Fuji para testar sua frota de carros autônomos

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Em fevereiro de 2021, a montadora japonesa Toyota deu início à construção de uma cidade completamente voltada para veículos sem motorista no Japão. Com previsão de inauguração em 2024, a nova comunidade foi batizada de Woven City (cidade interligada ou entrelaçada, em tradução livre).

    O nome faz referência ao fato de que a cidade terá câmeras e sensores instalados em sinais de trânsito, ruas e edifícios, criando uma malha de informações que orientarão sua frota de veículos autônomos. Uma camada extra de dados poderá vir dos celulares dos habitantes.

    As informações incluirão condições do tempo, volume de circulação de pedestres e intensidade do trânsito. A ideia é que os dados gerem uma imagem virtual detalhada constante da cidade para que os veículos possam transitar sem interferência humana.

    Além da mobilidade, a cidade terá domicílios “smart” onde o lixo é colocado na rua automaticamente e as geladeiras se reabastecem sem intervenção humana. Apesar da empresa não ter revelado o valor do investimento no projeto, calcula-se que os custos ficarão na casa dos bilhões de dólares.

    Chamada de “cidade protótipo do futuro” pelo CEO Akio Toyoda, o plano da empresa é criar uma comunidade real, onde pessoas “moram, trabalham e se divertem”. Situada próxima do icônico Monte Fuji, a nova comunidade terá 0,7 quilômetros quadrados de área (equivalente a 5% do município de São Caetano do Sul).

    Dentro do perímetro de Woven City, circularão veículos especialmente criados para o projeto. Adaptáveis, eles podem tanto ser usados para transporte de pessoas como de carga. A estrutura pode ainda servir como quiosque comercial, conforme ilustrado no vídeo abaixo.

    Os carros autônomos

    Em 22 de abril de 2021, a Toyota anunciou a compra da divisão de carros autônomos da Lyft, uma empresa de aplicativo de transporte, por US$ 550 milhões. Com a aquisição, a automotiva absorverá 300 funcionários da divisão e um vasto lote de dados da empresa que compete com a Uber em diversos mercados.

    Diversas grandes empresas vêm investindo em projetos de carros autônomos, entre nomes da tecnologia, como Intel, Google e Uber, e fabricantes automotivos tradicionais, como Volkswagen, Ford e General Motors.

    No entanto, um mundo onde carros sem motorista possam fazer parte do cotidiano ainda enfrenta diversos desafios. Entre eles estão o estabelecimento de padrões e linguagem computacional comum e o convencimento de passageiros de que esses veículos são seguros. Atualmente, a autonomia dos automóveis desse tipo é bem limitada, necessitando de supervisão humana para operar.

    De acordo com uma empresa de análise de mercado, em 2040 deverão ser vendidos mais de 33 milhões de veículos autônomos, equivalente a 26% dos novos carros. A projeção para 2021 é de 51 mil veículos nesta categoria.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.