Os ineditismos nos premiados pelo Oscar 2021, em 4 pontos

Com cerimônia pequena e adaptada para a pandemia, a 93ª edição da maior premiação de Hollywood foi marcada por algumas vitórias históricas

    Temas

    Quatro apostas fora da curva histórica de Hollywood marcaram a cerimônia do Oscar neste domingo (25), evento que encerrou uma temporada de premiações de entretenimento marcada pela pandemia de covid-19. Aproveitando o avanço da vacinação nos EUA, o maior prêmio da indústria cinematográfica deixou de lado os discursos a distância que dominaram outras cerimônias e entregou a maior parte dos prêmios para uma plateia reduzida em Los Angeles, limitada a indicados, seus acompanhantes, e apresentadores.

    Marcada por uma série de indicações inéditas, sinalizando a intenção de responder à recorrente demanda por diversidade e visibilidade de minorias, a 93ª edição do prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas registrou recorde de indicações femininas (70, no total) e indicou diversos artistas não brancos em categorias-chaves – dos 20 nomes concorrendo a melhor ator, melhor atriz, melhor ator coadjuvante e melhor atriz coadjuvante, 9 não eram brancos.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.