Por que a moeda paraguaia está valorizada frente ao real

Regiões da fronteira têm registrado entrada de paraguaios para fazer compras no Brasil. O ‘Nexo’ conversou com uma professora de relações internacionais para entender os movimentos no câmbio

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Uma cena comum nas fronteiras do Brasil com o Paraguai parece ter se invertido em 2021. Antes, os brasileiros iam ao país vizinho para fazer compras. Agora, são os paraguaios que vêm ao Brasil para consumir em lojas de diferentes produtos.

Reportagens e relatos de cidades como Foz do Iguaçu, no Paraná, mostram como moradores do outro lado da fronteira estão aproveitando o câmbio favorável para comprar roupas, sapatos, produtos de limpeza e alimentos em solo brasileiro. Abaixo, o Nexo detalha esse movimento na taxa de câmbio e o que está por trás dele.

O guarani valorizado frente ao real

Em 2019, o câmbio entre as moedas de Brasil e Paraguai ficou praticamente estável. O preço da moeda brasileira em guarani, a moeda do país vizinho, flutuou em torno de ₲ 1.600,00 – ou 1.600 guaranis por real.

No início de 2020, no entanto, a cotação do real despencou frente ao guarani. O movimento, que foi mais forte nos primeiros meses de pandemia, acompanhou a depreciação do real em relação ao dólar americano. Em meados de maio de 2020, no ápice da desvalorização da moeda brasileira no Paraguai, um real comprava 1.113 guaranis – 30% a menos que no início daquele ano.

REAL DESVALORIZADO

Cotação do real no Paraguai desde 2019. Estabilidade em 2019 e queda em 2020 e 2021

No segundo semestre de 2020, a cotação do real variou entre 1.200 e 1.400 guaranis. Mas nos primeiros meses de 2021, houve nova desvalorização do real frente à moeda paraguaia.

12,8%

foi a valorização do guarani frente ao real entre 1° de janeiro e 19 de abril de 2021.

No acumulado desde 2020, a perda de valor do real frente ao guarani fica ainda mais acentuada. Do início de 2020 até 19 de abril de 2021, a desvalorização foi da ordem de 28%.

O câmbio Brasil-Paraguai sob análise

O Nexo conversou com Carolina Moehlecke, professora da escola de Relações Internacionais da FGV (Fundação Getulio Vargas), para entender o movimento.

Por que o guarani está valorizado frente ao real? Esse fenômeno se deve a eventos da economia paraguaia ou da economia brasileira?

Carolina Moehlecke Se deve a ambos. Por um lado, o Paraguai é uma economia que vinha em ritmo de crescimento elevado nos últimos anos, e de progressiva redução da pobreza. Também vinha mantendo sua inflação sob controle. O Paraguai tem uma lei de responsabilidade fiscal bastante dura, e vem tomando iniciativas para se integrar melhor aos mercados financeiros internacionais.

Tendo feito o dever de casa – mantido gastos sob controle, inflação sob controle e tido crescimento econômico –, o investidor internacional olha para isso com bons olhos e passa a comprar títulos da dívida paraguaia. Isso significa ingresso de moeda estrangeira na economia paraguaia, que então resulta na apreciação da moeda local. É claro que o Paraguai também é uma economia exportadora de commodities – assim como o Brasil, também exporta carne e soja. E tem se beneficiado dos altos preços internacionais nesses produtos, o que contribui para a apreciação da moeda.

Já no Brasil, temos observado justamente o movimento contrário. Se o Paraguai está sendo bem visto pelo investidor internacional, o Brasil está sendo mal visto. O Brasil está com muitos problemas em relação à sua saúde fiscal. Nossa dívida pública está muito alta – quase 90% do PIB em 2020 – e pressionada. E isso acende um alerta vermelho para os investidores, que veem o Brasil como uma economia com alta dívida, inflação em alta e crescimento baixo. Isso faz com que o investidor retire dinheiro da economia brasileira.

Se o Paraguai tem observado fluxos de investimento que entram, o Brasil tem observado fluxos de saída. E se a gente coloca uma moeda contra a outra, a moeda paraguaia teve seu poder de compra aumentado em relação ao real. Isso motiva, então, os paraguaios que vivem em regiões fronteiriças com o Brasil a virem fazer compra aqui, porque a moeda deles vale mais no Brasil.

Quais as perspectivas para o câmbio guarani-real? Existe a possibilidade dessa taxa se manter por mais tempo?

Carolina Moehlecke A apreciação da moeda em relação ao real não significa que tudo são flores no Paraguai. É um país que tem instituições políticas bastante vulneráveis. Mas no que tange à economia e àquilo que importa ao investidor estrangeiro, que é saúde fiscal, inflação sob controle e crescimento, o Paraguai tem feito o dever de casa.

O que temos que observar agora é como ficam os gastos dos países nesse cenário de pandemia. O Paraguai tem feito uma gestão muito ruim da pandemia, assim como o Brasil. Mas o Brasil tem gastado bastante para mitigar os efeitos da pandemia, principalmente via auxílio emergencial, ao passo que no Paraguai esses gastos não são tão expressivos. Por um lado, isso contribui para a saúde fiscal do país (porque ele não gasta tanto), mas o custo colocado sobre a população é altíssimo.

Um pouco da dúvida se essas tendências vão se manter passa também pela gestão dos países em relação à pandemia, pelos gastos que eles alocam para isso e por como vai ficar a economia do país. E isso tudo passa obviamente pelo controle do vírus e pela vacinação.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.