O cerco a opositores de Bolsonaro via Lei de Segurança Nacional

Legislação usada para prender deputado bolsonarista radical que ameaçou o Supremo agora é acionada contra quem chama presidente de ‘genocida’ e diz que ele ‘não vale um pequi roído’

    Cinco manifestantes detidos em Brasília após exibirem na frente do Palácio do Planalto uma faixa chamando Jair Bolsonaro de “genocida” e associando sua figura a uma suástica nazista. Um youtuber intimado a depor no Rio após também usar a palavra “genocida”. Um jovem preso em Uberlândia por um tuíte visto como ameaça ao presidente. Um sociólogo investigado a pedido do governo por causa de um outdoor que diz que o chefe do Executivo federal não vale um “pequi roído”.

    Esses são alguns fatos recentes envolvendo opositores de Bolsonaro. Opositores que viraram alvo da polícia a partir de suspeitas de terem violado a Lei de Segurança Nacional, uma legislação remanescente da ditadura militar que vem sendo usada de forma cada vez mais frequente no Brasil: o número de investigações abertas com base nessa legislação bateu recordes sob o atual governo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.