O guia da OMS para melhorar a ventilação de espaços fechados

Documento mostra como melhorar a circulação do ar, principal via de transmissão do novo coronavírus, em três tipos de ambientes 

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A Organização Mundial da Saúde publicou orientações oficiais sobre ventilação em ambientes internos em um documento intitulado “Roteiro para melhorar e garantir uma boa ventilação no contexto da covid-19”. Segundo a agência, compreender e controlar a troca de ar de espaços fechados pode “reduzir o risco de problemas de saúde, incluindo a prevenção do vírus que causa a propagação da covid-19”.

Em julho de 2020, a organização reconheceu a possibilidade de transmissão aérea do novo coronavírus. Os aerossóis, minúsculas partículas liberadas por indivíduos infectados, podem ficar suspensos no ar, especialmente em ambientes fechados, e contaminar outras pessoas. Assim, a ventilação de espaços compartilhados se tornou uma das medidas mais importantes para combater novas infecções.

“O risco de contrair covid-19 é maior em espaços cheios de gente e com ventilação inadequada, onde pessoas infectadas passam longos períodos de tempo juntas. É nesses ambientes que o vírus parece se espalhar por gotículas respiratórias com mais eficiência e por isso o cuidado é ainda mais importante”, escreveu a organização.

Conteúdo do documento

As diretrizes do texto foram desenvolvidas após a análise de pesquisas e orientação produzidas pelas principais autoridades em ventilação de espaços fechados.

O documento foi criado para guiar gestores e pessoas infectadas em quarentena (que dividem a residência com pessoas saudáveis) para que elas possam atingir os níveis de ventilação recomendados ou simplesmente melhorar a qualidade do ar interno a fim de reduzir o risco de propagação de covid-19.

Dividido em indicações para três ambientes — instalações de saúde (como hospitais), espaços comerciais e ambientes residenciais —, o roteiro leva em consideração dois sistemas de ventilação: mecânicos (como ar-condicionado) e naturais.

Quando respiramos, consumimos o oxigênio do ar e expelimos gás carbônico (CO2). “Quanto maior o nível de CO2, maior a chance de estarmos respirando o ar que passou pelos pulmões de alguém. Se esse alguém estiver contaminado, a chance é grande de estarmos inspirando uma grande quantidade de vírus e nos contaminando”, afirmou Vitor Mori, pesquisador na Universidade de Vermont e membro do Observatório Covid-19 BR, em suas redes sociais.

O nível de ventilação de um espaço fechado depende de fatores como o número de pessoas no local, a quantidade de janelas e até da altura das paredes.

Entre as recomendações do guia estão:

  • Se um espaço tiver períodos sem ocupação, manter as janelas abertas para permitir a ventilação adequada por pelo menos 15 minutos antes e depois da ocupação.
  • Permitir ventilação cruzada em espaços residenciais ou comerciais: manter as portas e janelas abertas para gerar o movimento do ar. O uso de um ventilador de pedestal colocado perto de uma janela aberta pode promover essa circulação do ar.
  • Se nenhuma outra estratégia puder ser adotada, considerar o uso de purificadores de ar com filtros de partículas, que devem ser operados continuamente.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.