As recomendações para quem já está vacinado contra a covid

Órgão americano de saúde liberou pessoas completamente imunizadas para atividades como encontros sem máscara e visitas a familiares

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

“Com mais e mais pessoas sendo vacinadas a cada dia, estamos começando a virar uma esquina”, afirmou a diretora do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos, Rochelle Walensky.

Walensky fez a declaração por ocasião do lançamento de novas recomendações do órgão para pessoas que já tomaram as duas doses da vacina contra a covid-19. Mais de 92 milhões de doses do imunizante já haviam sido administradas no país até a segunda-feira (8), cobrindo 18% da população com pelo menos uma dose.

De acordo com o CDC, cidadãos completamente vacinados podem se encontrar com outras pessoas igualmente imunizadas em ambientes internos sem precisar de máscara ou de distanciamento social. O órgão também liberou encontros entre pessoas que moram juntas e que receberam as duas doses e indivíduos considerados de baixo risco para infecções graves da covid-19. Por exemplo, avós vacinados poderiam visitar netos sadios.

No geral, o tom ainda é de cautela. A diretora do CDC declarou que mais atividades seriam autorizadas conforme forem diminuindo os casos e mortes por covid-19. De acordo com as diretrizes, pessoas integralmente vacinadas ainda precisam usar máscaras e manter o distanciamento em público, além de evitar grandes aglomerações.

O órgão diz também que as pessoas só devem se considerar totalmente protegidas duas semanas depois de tomar a segunda dose da vacina (no caso dos imunizantes da Pfizer-BioNtech e Moderna, que requerem duas doses) ou de tomar a dose única (caso da vacina da Johnson & Johnson).

Alguns especialistas criticaram a falta de orientações relacionadas a visitas a restaurantes ou outros estabelecimentos, uma vez que alguns estados do país estão promovendo a reabertura de diversos negócios.

Em 8 de março de 2020, o número de novos casos diários da doença nos EUA ficou em torno de 98 mil. Marca distante do pico de 300 mil registrado em 8 de janeiro, de acordo com dados do New York Times.

Com a melhora dos índices, governadores dos estados do Texas e Mississippi baniram a obrigatoriedade do uso de máscaras em público, medida criticada pelo presidente Joe Biden, que a chamou de “pensamento Neandertal”.

Em suas orientações a pessoas vacinadas, o Instituto Butantan, que está produzindo a Coronavac, afirma que é importante esperar a imunização de parte significativa da população “antes de voltarmos aos antigos hábitos, para evitar contaminar outras pessoas, já que o indivíduo que tomou a vacina ainda pode transmitir o vírus”. A entidade reforçou a necessidade de se continuar usando máscara e higienizando as mãos.

Na terça-feira (9), o Brasil havia vacinado apenas 4,13% de sua população de 210 milhões de habitantes. Por falta de planejamento do governo federal, o país recebeu menos imunizantes do que o necessário para uma campanha ampla e rápida. Diversos estados tiveram que interromper ou atrasar seus cronogramas de vacinação.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.