A desigualdade entre países ricos e pobres no acesso à vacina

Chefe da OMS alerta para ‘derrota moral catastrófica’ à medida que aumenta a disparidade na imunização contra a covid-19

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Enquanto 39 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 são divididas entre 49 países desenvolvidos, um país pobre recebe apenas 25 doses. Essa comparação foi feita pelo chefe da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, para ilustrar as disparidades no acesso ao imunizante no mundo. Para Tedros, o planeta enfrenta “uma derrota moral catastrófica” neste início de vacinação.

    China, Índia, Rússia, Reino Unido e EUA desenvolveram vacinas próprias, de maneira autônoma. A Alemanha se associou ao laboratório americano Pfizer, enquanto a Suécia se associou às pesquisas britânicas. Esses países asseguraram suprimentos para si mesmos, enquanto os demais esperam por uma chance.

    O Brasil participou do desenvolvimento da Coronavac, numa parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac, e da vacina de Oxford, produzida pelo consórcio anglo-sueco Astra/Zeneca, mas enfrenta percalços tanto para conseguir acesso regular às vacinas quanto aos insumos para produzi-las em seu próprio território. As negociações com a Índia foram destravadas na quinta-feira (21), para o envio de um lote de 2 milhões de imunizantes. No caso da China, as negociações ainda estão em aberto.

    As alternativas dos países pobres

    Além desses países que desenvolveram as próprias vacinas – tanto por meio da iniciativa privada quanto pela ação do poder público – há ainda um grupo formado atualmente por 180 nações reunidas em torno de um consórcio internacional chamado Covax, que pretende, sob o guarda-chuva da OMS, negociar em bloco o acesso aos imunizantes, melhorando as condições de negociação e de acesso para os menos favorecidos.

    A Covax é uma iniciativa abrangente. Ela aponta em várias direções: do desenvolvimento de novos imunizantes até a expansão das redes de distribuição das vacinas já existentes. Mesmo países ricos, desenvolvedores de suas próprias vacinas, fazem parte do Covax, que promete uma “distribuição equitativa de 2 bilhões de doses até o fim de 2021”.

    Menos dinheiro, menos proteção

    Tedros apelidou a estratégia em curso atualmente nos países ricos de “me-first” (primeiro eu). Não é que eles se neguem a ajudar aos demais. A questão é que esses países colocam sua própria população como prioridade, diz o chefe da OMS.

    O Canadá, por exemplo, tem vacinas encomendadas suficientes para imunizar cada um de seus cidadãos cinco vezes – o que não acontecerá, pois não tem sentido clínico, mas ilustra como as vacinas sobram em alguns países enquanto faltam em outros. O governo canadense se defende, dizendo que não receberá necessariamente todas essas vacinas contratadas, e, além disso, o país contribui com US$ 380 milhões para financiar a vacinação em países subdesenvolvidos.

    Tedros diz que 70 países de baixa renda só poderão vacinar um de cada dez habitantes, se a distribuição seguir o ritmo e o nível atuais. Ele criticou o fato de jovens saudáveis estarem recebendo a vacina em países ricos enquanto grupos vulneráveis em países pobres ainda estão longe da vacinação.

    Líderes da vacinação

    Israel é o país com o maior índice de vacinas contra a covid-19 aplicadas por grupos de cem pessoas. Até quinta-feira (21), 38% dos israelenses tinham sido vacinados.

    Em segundo lugar, estão os Emirados Árabes Unidos, com 22,71 vacinados por grupo de cem habitantes. Em seguida, aparecem em posições muito próximas países como Bahrein, Reino Unido, EUA, Itália, Alemanha, França, China, Rússia, México e Índia, nesta ordem.

    Nos dados compilados pela Oxford Martin School, o Brasil aparece com apenas 0,06 vacinados por grupo de cem pessoas. Esse índice é mais baixo do que a média da América do Sul, que é de 0,11. A Argentina lidera na região, com 0,59 vacinados por grupo de cem. O país é seguido pelo Chile, que tem 0,33 por cem.

    A região do mundo que mais vacinou é a América do Norte, com 3,21 por cem. A União Europeia vacinou 1,65 e a Ásia, 0,50 por grupo de cem. Na África, a vacinação chegou a menos de 0,01 vacinado por grupo de cem pessoas.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.