Este site oferece um tour virtual da casa de Freud em Londres

Na página do Freud Museum London, usuários podem conhecer os aposentos da residência em que o inventor da psicanálise passou seu último ano de vida

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Temas

    Os entusiastas da psicanálise e curiosos sobre a vida e obra de Sigmund Freud podem conhecer a casa onde o analista passou o último ano de sua vida no site do Freud Museum London. A instituição oferece aos usuários um tour virtual gratuito em que é possível percorrer os aposentos do imóvel e conferir pertences de Freud e de sua filha, a também psicanalista Anna Freud, que ali viveu por mais de quatro décadas após a morte do pai.

    Ao acessar a plataforma, o usuário pode andar livremente pela casa ou escolher um dos aposentos com o cursor. Para cada objeto do acervo, o museu oferece uma breve descrição em inglês e disponibiliza um link com informações mais detalhadas e conteúdos produzidos pelos curadores ou por acadêmicos.

    Dentre os cômodos da casa localizada em Hampstead, no subúrbio de Londres, está o escritório onde Freud estudava e realizava sessões de psicanálise. Nele estão o divã em que seus pacientes deitavam, ainda coberto pela mesma manta e com as mesmas almofadas da época, e a famosa poltrona verde usada pelo analista durante os atendimentos.

    Durante a pandemia do novo coronavírus, o museu vem oferecendo outras atividades a distância, como cursos sobre psicanálise, debates e exibições de filmes com temáticas que se relacionam com as teorias freudianas. As atividades são pagas e para participar é necessário efetuar um cadastro no site da instituição.

    Além da casa em Londres, outros dois imóveis habitados por Freud também foram transformados em museu: um em Viena, onde ele viveu por 47 anos, e outro na cidade de Pribor, na República Tcheca, onde ele nasceu.

    A mudança de Freud para Londres

    Freud, sua esposa e seus filhos desembarcaram em Londres em 1938, após a Áustria ter sido ocupada pelos nazistas. De origem judaica, o psicanalista contou com o auxílio de seus amigos e discípulos, especialmente Ernest Jones e Marie Bonaparte, para poder deixar Viena e se mudar para a capital inglesa.

    Freud chegou à Inglaterra aos 82 anos, com a saúde já muito debilitada – ele sofria de um câncer de garganta que o acompanhou por mais de uma década. Mesmo assim, em Londres, ele continuou atendendo alguns pacientes e finalizou um de seus textos mais apreciados: “Moisés e o Monoteísmo”.

    Segundo o historiador alemão Peter Gay, que escreveu uma biografia do psicanalista, uma empregada da família que os acompanhou na mudança foi a responsável por organizar os objetos que vieram da Áustria, de forma a deixar o novo lar o mais parecido possível com a residência de Freud em Viena.

    Após a morte do pai, em 1939, Anna Freud continuou a viver e a trabalhar na casa de Hampstead até 1982, quando morreu. Durante os 44 anos que ali permaneceu, Anna seguiu os passos do pai e desenvolveu trabalhos psicanalíticos pioneiros, especialmente com crianças.

    Antes de falecer, Anna manifestou a vontade de que o imóvel fosse transformado em museu. Sua abertura ao público ocorreu em 1986.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.