5 momentos de Zé Keti no cinema nacional

Sambista que completaria cem anos em 2021 trabalhou como ator e compositor em filmes brasileiros e terá trabalho homenageado

Este conteúdo é exclusivo para assinantes. Ele está com acesso livre temporariamente como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    José Flores de Jesus (1921-1999), conhecido como Zé Keti, é considerado um dos maiores sambistas brasileiros. O centenário do cantor e compositor de músicas como “Máscara negra”, “Opinião” e “Voz do morro”, celebrado no segundo semestre em 2021, vai render homenagens ao longo do ano. Entre elas, a do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) mostra o trabalho pouco conhecido de Keti no cinema nacional.

    O tributo que acontece entre os dias 14 e 17 de janeiro no CCBB do Rio de Janeiro —e que depois terá edições em São Paulo, Belo Horizonte e Brasília— vai contar com quatro shows que relembram diferentes fases da trajetória do músico. Um deles foca o repertório de músicas de Zé Keti que foram utilizadas em trilhas sonoras de filmes brasileiros.

    O sambista, no entanto, participou de obras do cinema novo, movimento cinematográfico brasileiro que despontou na década de 1960 e buscava romper com o cinema tradicional produzido no país, não apenas como compositor: Zé Keti foi também ator e assistente de câmera em diversas produções. O Nexo selecionou cinco filmes em que Zé Keti pode ser visto e ouvido.

    Rio, 40 Graus (1955)

    Dirigido por Nelson Pereira dos Santos, o longa é considerado um marco do cinema novo. Zé Keti, que foi amigo do cineasta, trabalhou como assistente de câmera e também atuou em um papel secundário. A melodia da canção que viria a se tornar uma das mais famosas da carreira de Zé Keti, “Voz do morro”, é transformada por Radamés Gnattali, diretor musical do longa, e tocada diversas vezes ao longo do filme.

    Rio, zona norte (1957)

    Depois de “Rio, 40 graus”, Nelson Pereira dos Santos dirigiu este filme inspirado na vida do músico. Zé Keti interpreta o sambista Alaor e aparece na trilha sonora com as músicas “Mexi com ela”, “Dama de ouro”, “Mágua de sambista”, “Fechou o paletó” e “O Samba não morreu”, muitas delas cantadas pelo ator Grande Otelo.

    O Grande Momento (1958)

    Primeiro filme de Roberto Santos, assistente de direção de “Rio 40 graus”, conta a história de um imigrante em São Paulo que, no dia do seu casamento, tenta arranjar dinheiro para pagar a festa. Zé Keti é responsável pelo tema original e não aparece na frente das câmeras.

    A falecida (1965)

    Baseado na peça homônima de Nelson Rodrigues, com roteiro de Eduardo Coutinho e do também diretor Leon Hirszman, o longa que tem Zé Keti em um papel secundário conta a história de uma mulher (interpretada por Fernanda Montenegro) obcecada pela própria morte.

    A grande cidade ou as aventuras e desventuras de Luzia e seus 3 amigos chegados de longe (1966)

    Com produção musical de Moacir Santos, Zé Keti compôs a canção tema do filme, “A grande cidade”. Além disso, logo no início da trama, enquanto a protagonista Luzia (Anecy Rocha) caminha por uma feira, o músico aparece cantando sem instrumentos ao lado do personagem Calunga (Antonio Pitanga), que conduz a história.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.