Como está o caso João de Deus, dois anos depois das denúncias

Ele já foi condenado por crimes sexuais e porte ilegal de armas. E continua sendo investigado por charlatanismo, prática ilegal da medicina e lavagem de dinheiro

    Em 7 de dezembro de 2018 vieram à tona as primeiras denúncias de estupro e assédio sexual contra o médium João Teixeira de Faria, popularmente conhecido como João de Deus.

    Dois anos depois, ele está em prisão domiciliar, o movimento na Casa Dom Inácio de Loyola – onde ele realizava os ataques e os supostos milagres – diminuiu drasticamente e Abadiânia, cidade goiana que servia como sede para João de Deus teve 90% de sua economia afetada.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.