O livro que reúne histórias de gatos ilustres

Uma deusa egípcia e os mascotes de Andy Warhol estão entre os felinos retratados pelo americano Paul Koudounaris

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Estima-se que humanos e gatos convivam juntos há pelo menos 6.500 anos. Esse duradouro relacionamento com os bichinhos, que fazem sucesso nas redes sociais e se tornaram um dos animais de estimação mais populares do mundo, é tema do novo livro do escritor e fotógrafo americano Paul Koudounaris.

    Lançado em meados de novembro nos EUA, “A cat’s tale: a journey through feline history” (“Um conto felino: uma viagem pela história dos gatos”, em tradução livre) percorre mais de seis milênios de convivência apresentando as histórias de felinos que marcaram época, tais quais a deusa Bastet, venerada pelos egípcios na antiguidade, e Sam, um dos mascotes do artista pop Andy Warhol.

    Em entrevista ao site The Pitch, Koudounaris disse que planejava escrever sobre os cemitérios de animais de estimação – um tópico que, segundo ele, nunca foi tratado com a importância devida. Durante as pesquisas sobre esses espaços, o autor teve contato com histórias fascinantes de felinos e decidiu mudar o foco. “Percebi que historicamente os gatos nunca receberam o crédito pelas contribuições sociais heróicas e importantes que haviam feito”, afirmou.

    Além da compilação de mais de cinco anos de pesquisas realizadas em diversos países, o livro de Koudounaris também tem feito sucesso por um outro motivo: a participação ativa de Baba, a gata do autor, como narradora e modelo fotográfica para ilustrar as personagens.

    O livro conta com dezenas de fotos de Baba vestindo trajes históricos em cenários para lá de elaborados, todas elas tiradas pelo autor. As vestimentas foram feitas sob medida para a gatinha e a produção de algumas das fotografias contou com a participação da figurinista Desirae Hepp, que trabalha com fantasias para filmes e séries.

    À Smithsonian Magazine, Koudounaris afirmou que o processo de elaboração do livro acabou por estreitar os laços com seu animal de estimação e definiu a obra como sendo “uma carta de amor para todos os gatos de todas as nossas vidas”.

    3 felinos ilustres retratados no livro

    Maneki-Neko

    Ao entrarmos em lojas e restaurantes asiáticos é comum nos depararmos com uma tradicional escultura de cerâmica de um gatinho acenando com a pata levantada. Trata-se do maneki-neko, também conhecido como o gato da boa sorte, que além de um amuleto é um dos personagens mais populares do folclore japonês. Sua origem data do século 17.

    Félicette

    Em outubro de 1963, Félicette tornou-se a primeira gata a ir ao espaço. Retirada das ruas de Paris, a felina serviu de cobaia do programa espacial francês que, à época, desenvolvia estudos sobre os impactos que a falta de gravidade poderia causar aos humanos. Ao contrário de outros animais que foram ao espaço, como a cadela soviética Laika, a história de Félicette caiu no esquecimento. Em 2019, após uma ampla mobilização na internet, uma estátua da gatinha foi inaugurada na Universidade Espacial Internacional, na cidade francesa de Estrasburgo.

    Sala 8

    Nos anos 1950, um gato ganhou a simpatia dos habitantes de Los Angeles, nos EUA. O felino entrou numa das salas de aula de um colégio da cidade – o que lhe rendeu o apelido de Sala 8 – e lá permaneceu por 16 anos. Além de mascote da escola, Sala 8 ganhou uma biografia e foi tema de especiais de TV.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.